Cristologia

COMO CHEGAMOS A CONHECER CRISTO?

Bastaria uma boa interpretação do Novo Testamento, ou seja, uma boa hermenêutica? Os evangelhos, como os temos hoje são o resultado de um longo processo de reflexò, se fazendo necessário uma exegese crítica da história das formas, da história das tradições e das redações. É justamente esta nova visão de interpretação dos textos que abre a possibilidade para uma cristologia na América Latina que visa o homem e não tanto a Igreja.

A HISTÓRIA DA HISTÓRIA DE JESUS

"Quem dizem os homens que eu sou?" Com essa questão, dá-se início à Cristologia. Cada geração buscou respondê-la em relaçào a Jesus de Nazaré. Para o que crê, basta uma resposta de fé: "É o Filho unigênito e eterno de Deus ...", mas para o não-crente, com o surgimento da razão crítica é necessário se ir mais longe.

Não há e nem pode haver uma vida de Jesus sem lacunas, cientificamente límpida. Diante desse fracasso, devemos nos concentrar no Jesus da Fé. Jesus é um elemento de permanente crítica, Ele é imcômodo e é objeto de estudo da Filosofia Transcedental, do Evolucionismo Cósmico, da Psicologia das profundezas, de análises sociais. É exatamente este Jesus questionador das estruturas que a atual geração busca, nós não temos para oderecer, pois o institucionalizamos, o clericalizamos. No Cristo radicalmente humano é que a nova geração busca conforto.

O QUE QUIS, AFINAL, JESUS CRISTO?

Pregou o Reino de Deus que é possível neste mundo. Ele quis ser a resposta de Deus à condiçào humana. Ele era o esperado, o Salvador do mundo. O Reino representará uma nova ordem das coisas, não só espirituais, mas a totalidade deste mundo material, espiritual e humano

A Igreja Povo

"Estamos contribuindo para a formação dessa Igreja nova, que caminha com o povo, que se inspira no Evangelho; com a esperança de que será mais forte e tão sólida que o mau exemplo da Igreja institucional já não causará mais dano. Para os companheiros, mesmo aqueles que não são crentes, um cristianismo assim, uma Igreja assim é um sinal. Os padres e as freiras sempre acreditaram que são o umbigo da Igreja, o centro de tudo. Mas esta Igreja que nasce tem o povo em seu centro. Meu desejo é que a Igreja perca todo o seu poder, que seja uma Igreja quase invisível. Então é que teremos a oportunidade de falar do Evangelho, de descobrir no mais profundo de nós mesmos o que é ser cristão, o que é específico da mensagem cristã." (Pe. Rogelio Ponseele, no livro Um Sacerdote na Guerrilha)